Joe Bennett, artista brasileiro, é desligado da Marvel após artes ofensivas

Tiago Minervino  - 10 de setembro 2021 ás 18h00

Joe Bennett, artista brasileiro que integrava o time de funcionários da Marvel Comics, foi desligado da editora e não faz mais parte da Casa das Ideias (via Games Radar). A saída do desenhista acontece após artes ofensivas com conotações antissemitas publicadas em O Imortal Hulk #43, no início de 2021, além de comentários LGBTfóbicos feitos por ele.

No início de setembro, o roteirista britânico Al Ewing se manifestou publicamente por meio de seu perfil no Twitter sobre o artista brasileiro, e disse que jamais voltaria a trabalhar com o ilustrador. Ewing citou entre os motivos a HQ com conotação antissemita e os posicionamentos políticos do desenhista.

Ewing criticou uma arte feita pelo desenhista em 2017, que voltou a circular nas redes sociais, na qual ele ilustra Jair Bolsonaro, à época deputado federal, de forma imponente em um cavalo, enquanto afugenta seus opositores políticos, que são retratados como ratos.

Reprodução

Caracterizar seus desafetos como ratos, como fez Bennett, também foi visto como antissemitismo, já que, durante a Segunda Guerra Mundial, os nazistas chamavam os judeus de ratos.

Recentemente, ele também causou polêmica ao responder com risadas comentários transfóbicos feitos em artes oficiais da Mulher-Hulk, personagem das HQs da Marvel.

Joe Bennett prestava trabalho para a Marvel Comics desde 1994 e estava escalado para ilustrar a one-shot Timeless. Agora, porém, a editora diz que não voltará a trabalhar com o artista “em nenhum projeto futuro”. Além de The Immortal Hulk, o brasileiro trabalhou em The Amazing Spider-Man, Capitão América, Quarteto Fantástico, entre outros.