Diretora de Loki detalha funcionamento do multiverso no MCU

Fernando Giovanetti  - 23 de julho 2021 ás 21h00

No último episódio de Loki, as portas do multiverso ficaram escancaradas, inclusive gerando rumores sobre a participação do personagem em Doutor Estranho. Mas sempre que uma história envolve viagem no tempo ou multiverso (e no MCU temos os dois!), muitas dúvidas ficam abertas.

A diretora da série do Deus da Trapaça, Kate Herron, falou ao Murphy’s Multiverse sobre a última cena, quando as varias linhas do tempo começam a se cruzar e as ramificações que surgem:

Então, há ramificações, certo? Que são como as realidades alternativas. Mas aí então há algo que você vai ver, é muito sutil. Na última cena, você vê o multiverso e basicamente há outras linhas do tempo em ramificações maiores. É quase como se essas árvores diferentes e separadas agora estivessem se conectando.

A cineasta ainda explica o resultado dessas ramificações:

É quase como uma ponte. Se você imaginar a ramificação, é como outra realidade. Mas se a ramificação se estende até certo ponto, então vai se conectar com outras linhas do tempo físicas. Naquela última cena que fizemos, há outros [ramificações] mais finos, que devem representar nossa linha do tempo. E há outras linhas como essa, e as ramificações são as conexões, basicamente.

Ao que tudo indica, as produções da fase quatro do MCU vão se desenrolar justamente com a temática de outros universos, como em Doctor Strange in the Multiverse of Madness (Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, em tradução livre) e, possivelmente, Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa.